Subscribe:

Ads 468x60px

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

RESUMO COMPLETO DA BÍBLIA.




Bem, como havia prometido no Facebook, depois de ter acabado de ler a Bíblia toda novamente, pela nona vez, fiz um resumo de cada um dos 66 livros para que, quem ainda não a leu toda, possa ter uma ideia do que se trata cada livro.

Bem vindo ao resumo completo e simples de toda a Bíblia sagrada.

Gênesis

O Livro de Gênesis introduz um DEUS onipotente ao descrever o poder da sua criação.  Ele mostra  que o processo da criação foi feito de acordo com uma ordem planejada e metódica em seis dias literais e 24 horas.

Primeiro Dia Ele cria a radiação eletromagnética, no quarto dia, cria os corpos celestes.
No segundo dia, Cria o firmamento e faz a separação das águas.
No Quinto dia, cria os animais que voam no firmamento e os animais que vivem nas águas.
No sexto dia, cria os animais e o ser humano, os quais vivem na terra seca, e lhes dá as plantas como alimento.

Lembrando que tudo isso foi criado dentro do Jardim no Éden. O Éden era uma região geográfica e não o próprio Jardim que se perdeu com o dilúvio.

DEUS criou o Homem no sexto dia, mas não do Barro com muitos dizem erroneamente e sim, do pó da terra e pronto.

O que a Bíblia diz é que o homem foi criado com os mesmos elementos químicos que se encontram na terra:

(66,0% de oxigênio), (17,5 % de Carbono), (10,2 % de Hidrogênio), (2,4 % de Nitrogênio), (1,6 % de Cálcio), (0,9% de Fósforo), (0,4 % de Potássio), (0,3 % de Sódio), (0,2% de Enxofre), (0,105 % de Magnésio), (0,005% de Ferro) entre outros. Todos encontrados, também, no pó da Terra.

DEUS criou também a  mulher, Eva, a Mãe de toda a raça humana  de acordo com a Dra. Rebecca L. Cann, do departamento de biologia da Universidade da Califórnia, em Berkeley.

Dentro das células do nosso corpo existem organelas, que são sub-unidades especializadas em uma função. Uma dessas organelas chama-se mitocôndria.
A mitocôndria é uma estrutura que converte a energia química recebida dos alimentos em formas de energia que a célula possa utilizar.
Dentro dessa pequena Fábrica, por assim dizer, encontra-se o DNA mitocondrial.
No Caso dos seres humanos, o DNA mitocondrial é passado de uma geração para outra somente pela mãe.

A Dra. Rebecca estudou o DNA mitocondrial de 147 indivíduos, das cinco populações geográficas do nosso planeta e concluiu que todos esses indivíduos, representantes de todos os grupos de seres humanos, possuíam um DNA mitocondrial idêntico.

E um segundo estudo muito interessante foi feito pelos doutores Lawrence e Siegfried Scherer.

Sendo que todos os seres humanos vieram de uma única e mesma mulher, o DNA mitocondrial atual deveria ser exatamente o mesmo, com pequenas variações que teriam ocorrido ao longo do tempo.
Eles estudaram essas pequenas variações que existem no DNA mitocondrial e utilizaram-se delas para fazer um sistema cronológico reverso.
Comparando o tempo necessário para que as pequenas variações genéticas passassem a fazer parte do material genético de um grupo de indivíduos, com o número de variações no DNA mitocondrial, eles chegaram a conclusão que entre 6.000 e 6.500 anos atrás deveria ter vivido aquela que foi a mãe de todos nós.

A propósito, Eva não era uma costela literal, como muitos afirmam erroneamente e até preconcetuosamente. DEUS usou a Costela porque é lá esta que o material para clonagem humana.
No coração também tem, mas não seria uma boa ideia tirar o Coração de Adão. rsr

Na costela, se encontra medula óssea vermelha, que contém células  estaminais. Essas células são células - tronco multipotentes , que podem diferenciar-se numa variedade de tipos de células.
Feita a clonagem humana, DEUS então transforma o material genético masculino em material genético feminino.

O Cromossomo Y humano possui cerca de 60 milhões de  pares de base. Ele é passado de pai para filho.
O Cromossomo X humano possui cerca de 153 Milhões de pares de base.

Adão foi criado com o Par XY. Ele, obviamente, era do sexo masculino.
DEUS então duplicou geneticamente o cromossomo X de Adão, formando o par XX, tendo então a Clonagem humana e a engenharia genética.

Também, a cobra "falante", não era Cobra. No original se vê como Serpente, que pode representar Réptil também na época. Então, os desenhos da cobra na árvore, são enganos, pois não existia  cobra naquele época.  Somente depois da queda do Homem, que  a serpente foi amaldiçoada por DEUS e passou a ter aquela forma que conhecemos hoje.

"Cobra" falante?  Barro? Costela? Agora você já sabe a verdade.

O resto do livro de Gênesis apresenta um relato de vários  indivíduos e do seu relacionamento com DEUS e com os demais seres humanos levando, por fim, os escolhidos descendentes de Sem, Filho de Noé... que se tornaram a Nação Hebraica dos Israelitas... ao Egito.


Êxodo

O livro do Êxodo faz um relato de como DEUS chamou Moisés para libertar os Hebreus da Escravidão do Egito. Nesse processo de libertação DEUS realizou muitos milagres, inclusive a separação do Mar Vermelho quando abriu passagem para os Hebreus. Esse livro descreve 40 anos de peregrinação no deserto, ocasião em que os dez mandamentos foram dados à nação em fuga, passando a fazer parte da Torá. O Êxodo termina com a introdução do Tabernáculo quando os Israelitas foram expostos à glória de DEUS e chamados a Adora-lo.

Levítico

O livro de Levítico é um relato detalhado das muitas leis dadas aos Israelitas. Foram de grande importância as leis espirituais exigidas no sacrifício, nas ofertas e no culto a DEUS. Além disso, havia leis sobre a saúde e a religião em geral, juntamente com instruções especiais para a tribo de Levi cujos membros deviam servir como Sacerdotes.


Números

O livro de Números descreve os acontecimentos que tiveram lugar no deserto, inclusive na realização de um censo, uma rebelião contra os líderes escolhidos por DEUS, no caso Moisés e Arão, o processo da peregrinação e algumas tentativas iniciais para entrar na terra prometida de Canaã.
Durante esse período de 40 anos de peregrinação DEUS estava preparando uma nova geração para entrar na terra prometida.


Deuteronômio

O livro de Deuteronômio descreve os discursos de Moisés aos Israelitas antes de entrarem na Terra Prometida.  Ele começa com a revisão dos supremos atos de DEUS, inclusive o relacionamento com o seu povo escolhido. Os Dez mandamentos são revistos novamente, junto com outras leis  que DEUS impôs ao seu povo.
Ele também exigia um compromisso duradouro do povo com o SENHOR DEUS.

Esse livro termina com a morte de Moisés, antes de cruzar o Rio Jordão e entrar na Palestina.


Josué

O livro de Josué cobre o período ocorrido desde o Êxodo , quando a liderança dos Israelitas foi transferida de Moisés para Josué. Ele enfoca, principalmente a conquista inicial da Terra Prometida a Abraão, demonstrando o poder de DEUS e o cumprimento das suas promessas.
Apesar de obterem sucesso no começo, os Hebreus se estabeleceram inicialmente na Terra Prometida sem que ela tivesse sido totalmente conquistada.


Juízes

O livro de Juízes, o que mais detesto na Bíblia, começa onde Josué termina, e faz uma revisão da história dos Israelitas na Palestina durante o período subsequente à liderança de Josué, quando não havia uma linha pré-ordenada de lideranças. Em seu lugar, DEUS formou uma sequência de juízes que receberam autoridade para administrar as situações que podiam ameaçar a terra. Esse livro mostra que, mesmo quando as pessoas não observavam uma estrita obediência à vontade de DEUS, Ele ainda atendia suas necessidades.

E eu disse que esse é o livro que mais detesto pelo fato dos últimos três capítulos dele. Dá vontade de rasgar da Bíblia.


Rute

O livro de Rute  é uma história em quatro capítulos sobre o relacionamento de uma jovem camponesa moabita, chamada Rute, e do seu compromisso, com a sogra Israelita, Noemi, e mais tarde com Boaz, seu parente e remidor. Este pequeno livro tem várias finalidades ao meu entender :

1- Mostrar como três pessoas , de diferentes culturas, permaneceram fortes de caráter e devotadas a DEUS, mesmo quando a sociedade que as cercava estava desabando.

2- Dar um exemplo do papel de um Parente - Remidor... o conceito de que uma pessoa pode redimir outra, e que é muito parecido com o sangue de CRISTO que redimiu os pecadores.

3- Mostrar que a linhagem de JESUS foi formada através de uma variedade de pessoas,  Inclusive Raabe, Uma prostituta e Rute, Uma moabita.


I Samuel e II Samuel

Os livros de I e II Samuel cobrem o período da história de Israel em que houve a transição do período dos juízes, quando "cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos", para o período dos Reis.  DEUS havia escolhido o Profeta Samuel para ser o líder principal da Nação e aquele que iria escolher o primeiro rei.
Esse livro faz uma revisão do nascimento de Samuel  e da sua infância, do momento em que escolheu Saul para ser rei, o crescimento de Davi e o favor que recebeu por ter matado Golias, o ciúme de Saul sentia de Davi e, Finalmente, a Morte de Saul.

O livro de II Samuel registra a História do reinado de Davi, e mostra a sua eficiência sob a direção de DEUS. Ele revela também as qualidades pessoais que agradam a DEUS... Juntamente com aquelas que desagradam... e mostra Davi como sendo líder ideal, apesar dos seus erros, de um reino perfeito.


I Reis e II Reis

Os livros de I e II  Reis cobrem o período histórico de liderança dos reis de Israel que se seguiram a Davi.  O livro  de I Reis começa com o rei Salomão, Filho de Davi e Bate-Seba.  Salomão foi o último  a reinar sobre o reino unido do norte e do sul de Israel. Devido a um erro de Salomão, cometido no fim da sua vida, o reino foi tirado dos seus herdeiros e dividido entre as dez tribos do Norte ( "Israel") e as duas tribos do Sul ( "Judá").

O Livro de I Reis enfoca, em grande parte, a vida de Salomão e os primeiros anos dos reis desse reino dividido, juntamente com os profetas Elias e Eliseu. O livro de II Reis cobre os inúmeros reis das duas nações que vieram mais tarde.


I Crônicas e II Crônicas 

Os livros de I e II Crônicas podem ser intrigantes porque cobrem a maior parte do mesmo período histórico de II Samuel e dos dois livros de Reis.  Diz a tradição judaica que foram escritos pelo escriba Esdras, Possivelmente depois do Exílio na Babilônia.

O livro de I Crônicas cobre virtualmente o mesmo período de I Samuel, e serve como se fosse um comentário sobre esse tempo , enfocando a vida de Davi.

O livro de II Crônicas cobre desde o período inicial do reino de Salomão até a destruição de Jerusalém pelos babilônicos, em 586 a.C.


Esdras

O livro de Esdras, segundo alguns, foi escrito por volta de 450 a.C, talvez pelo próprio escriba Esdras. Ele cobre o período que se seguiu a II Crônicas , quando o rei Ciro da Pérsia deu permissão aos judeus para voltarem do exílio. Ele trata da volta dos judeus, da nova dedicação da fundação do templo , da oposição dos inimigos dos judeus e a suprema fé e atitude do povo.


Neemias

O livro de Neemias é um outro livro escrito após o Exílio. Foi escrito depois do livro de Esdras, e discute sua preocupação com os muros de Jerusalém que estavam em ruínas. O livro descreve como DEUS permitiu a Neemias, que era um líder, a reconstrução dos muros a fim  de proteger Jerusalém, apesar de ele sofrer uma rigorosa oposição.


Ester

Acredita-se que o livro de Ester, cerca de 483 até 471 a.C, foi escrito depois da época do exílio dos judeus. Tendo como pano de fundo a Pérsia, ele descreve a soberania e o amor de DEUS para com o seu povo, mesmo quando o seu povo estava numa terra estrangeira. O enredo desse livro mostra a coragem de uma única mulher, Hadassa, que arriscou a própria vida para realizar proezas que, no fim, salvaram a vida dos judeus.

É um dos meus livros favoritos, e quando eu tiver uma filha, se chamará Hadassa também em homenagem a essa mulher "deliciosa" que não esqueceu do seu povo mesmo quando se tornou rainha. E as meninas nos dias de hoje, se sentem alguma coisa por serem famosinhas em facebook. rsr




Muitos acreditam que o livro de Jó seja a obra mais antiga da Bíblia. Segundo os estudiosos esse livro foi escrito por um homem chamado Jó, que viveu numa região  da Mesopotâmia. É interessante notar que o livro mais antigo da Bíblia pode ter vindo da Mesopotâmia, conhecida por ser o berço da civilização. Acreditam também que era ali que se localizava o Jardim no Éden, e também o local aonde a arca de Noé ancorou, no monte Ararate, assim como a Torre de Babel foi construída... Perto da Babilônia. Jó analisa filosoficamente as questões do sofrimento dos justos, os ataques de satanás e a suprema bondade de DEUS.

Uma pena que João Ferreira tenha traduzido algumas partes erradas dele, já que ele é o livro Hebraico mais complexo de todos. Excelente livro, um dos meus favoritos por ter muita ciência contida nele.


Salmos

O livro de Salmos é uma coletânea de 150 "cânticos" escritos por várias pessoas entre 1440 a.C e 586 a.C.  O Escritor mais prolífico foi Davi, que escreveu 73 salmos por volta do ano 1000 a.C. e têm várias finalidades.  Alguns expressam aflição e sofrimento, outros refletem um pedido de ajuda ou confessam pecados. Muitos louvam e cultuam a DEUS. Incluídas nos Salmos estão as profecias referentes à vinda do Messias.

Só pra constar, Salomão, escreveu dois (72 e 127), e Moisés escreveu um (90). Vários homens que conduziam o louvor em Jerusalém ..como Asafe, Etã e os descendentes de Corá, escreveram 25 dos salmos. Os autores de quase um terço dos salmos não se identificam.


Provérbios

O livro de Provérbios  consta de ditados curtos e concisos que transmitiam verdades morais e práticas.  Foi dividido em seções que transmitem sabedoria aos jovens, ao povo em geral, e aos líderes. Escrito pelo rei Salomão, nos primeiros anos do seu reinado...que começou cerca de 970 a.C, esses versos memoráveis podem ser aplicados à vida em Geral.

Só pra constar que, Salomão escreveu 3000 Provérbios.


Eclesiastes

Eclesiastes é um livro escrito por Salomão no fim da sua vida, provavelmente em 935 a.C.  e analisa seus anos de aprendizado, inclusive aqueles quando estava longe de DEUS. A finalidade desse livro é ajudar às futuras gerações a fugir de uma existência sem sentido se não tiver a presença de DEUS.

Esse livro é uma prova de que Salomão se arrependeu no final, para aqueles que acham que Salomão se perdeu eternamente.


Cântico dos Cânticos

Esse é realmente um dos meus favoritos,rsr bem no topo da lista de favoritos. Muitos acreditam que o livro de Cantares foi escrito no princípio do reinado de Salomão. Esse livro é uma história de amor entre uma noiva e seu noivo. Ele afirma a santidade do casamento, e muitos estudiosos pensam que ele também serve como uma alegoria ao amor de DEUS pelo seu povo.

Mas sabemos que foi Salomão escrevendo pra uma de suas esposas, a Sulamita. Este cântico é só um dos 1005 que Salomão escreveu, mas com certeza, o mais belo entre eles.


Isaías

O livro de Isaías foi escrito cerca de 700  anos a.C. É um dos livros mais importantes do Velho Testamento por conter mais profecias a respeito de JESUS do que qualquer outro livro. Em particular, o capítulo 53 contém uma descrição viva e acurada do sofrimento do futuro Salvador... contradizendo uma crença comum entre os judeus de que o profetizado Messias seria um conquistador militar.


Jeremias e Lamentações

Acredita-se que o profeta Jeremias escreveu tanto o livro de Jeremias como o de Lamentações. Ambos foram escritos no período entre 627 - 586 a.C. no reino do sul de Judá.  Eles insistiam com o povo de DEUS para se arrepender dos pecados antes que fosse muito tarde.

Só pra constar, por causa do Livro de Lamentações, Jeremias é considerado o Profeta Chorão. Então, se você estiver em uma Igreja, e alguém fizer a gracinha de pedir pra abrir no Profeta Chorão, você já sabe que é  Jeremias. rsr


Ezequiel

O livro de Ezequiel foi escrito para os judeus que estavam no cativeiro da Babilônia, cerca de 571 a.C. Ele previu a futura salvação do povo de DEUS.


Daniel

Daniel foi um dos profetas mais importantes do Antigo Testamento. Ele escreveu o seu livro entre 605 e 535 a.C. e fez um relato histórico do cativeiro da Babilônia. Suas profecias mostravam o enorme poder de DEUS e o controle que Ele exerce sobre o CÉU e a Terra.

Talvez sua profecia mais importante seja aquela que previu a data precisa em que o Messias iria entrar em Jerusalém... o chamado " Domingo de Ramos" foi o primeiro dia em que JESUS permitiu que as pessoas o homenageassem publicamente como o Rei-Messias.

Aliás,um fato fascinante é que o autor mais surpreendente da Bíblia é o rei Nabucodonosor, o tirano da Babilônia, que obrigou os judeus a irem para o exílio em 586 a.C. Ele"escreveu" o começo do quarto capítulo de Daniel aonde existe a indicação de que, até mesmo as pessoas mais improváveis , podem ser transformadas e usadas por DEUS.


Oséias

Oséias, cerca de 753-715 a.C., escreveu ao reino do norte para mostrar o amor de DEUS pelo seu povo.


Joel

Joel, cerca de 835 a 796 a.C. preveniu Israel a respeito do iminente castigo por causa dos seus pecados, enquanto...


Amós

Amós , cerca de 760 a 750 a.C. preveniu da mesma forma o reino do norte a respeito de sofrerem um castigo semelhante.


Obadias

Obadias, cerca de 853 a 841 a.C. enfocou os edomitas, inimigos dos judeus em Judá. Seu livro mostra o castigo de DEUS sobre aqueles que prejudicam o seu povo.


Jonas

O livro de Jonas, cerca de 785 a 760 a.C. foi escrito para o povo de DEUS que está em toda a parte, a fim de demonstrar a extensão da graça divina e indicar que a mensagem da salvação se destina a todos os povos.

Miquéias

Miquéias, cerca de 742 a 687 a.C., para Israel...


Naum

Naum, cerca de 663 2 612 a.C. , para Nínive  e Judá...


Sofonias

E Sofonias, cerca de 640 a 621 a.C. para Judá, escreveram para proclamar o castigo de DEUS sobre o pecado e conclamar o povo a se arrepender. No caso de Naum , foi oferecido um consolo a Judá, pois o castigo havia sido proclamado sobre Assíria.


Habacuque

O livro de Habacuque, cerca de 612 a 588 a.C. foi escrito para o povo de Judá a fim de revelar que DEUS está no controle, embora o mundo pareça estar fora de controle.


Ageu

O livro de Ageu, cerca de 520 a 518 a.C. foi escrito para os exilados que haviam retornados , a fim de lhes dar a esperança da vinda do Messias.


Zacarias

O livro de Zacarias, cerca de 520 a.C., retrata tudo o que foi mostrado através dos anjos que falaram por DEUS; uma batalha agora, não por força, nem por violência, mas pelo Espírito da verdade , retidão e fidelidade a DEUS. Nos mostra também uma profecia  que ao meu ver , ainda não se cumpriu nesta era depois do Dilúvio. Creio que desta vez será o fim do mundo , fazendo desaparecer, dois terços da Terra, permanecendo apenas um Terço.


Malaquias

O Livro de Malaquias, cerca de 430 a.C. era uma exortação ao povo de todas as partes para se arrepender e restaurar seu relacionamento com DEUS.



Novo Testamento 




Mateus

Mateus, cerca de 55 a 63 d.C. realça a realeza de JESUS.  Ele foi retratado como um "Leão".. esse evangelho foi claramente escrito para os judeus. O tema básico de Mateus é que JESUS é o Messias porque cumpriu as profecias do Antigo Testamento. Portanto, o tom desse Evangelho é profético.

Mais do que qualquer outro Evangelho, ele faz uma extensa utilização das profecias do Antigo Testamento, e faz 53 citações diretas do seu conteúdo.

De acordo com a realeza de JESUS, ele insiste na sua descendência de Davi, através da genealogia registrada.


Marcos

Marcos, cerca de 55 a 60 d.C. enfocou JESUS principalmente como um servo, como havia profetizado Isaías. Ele mostra a obediência de JESUS ao executar  a vontade de Pai. O tema de Marcos é que JESUS consolidou suas palavras com atos. O tom desse Evangelho é prático e, de certa forma, aparentemente inclinado aos romanos.


Lucas

Lucas, cerca de 60 d.C.  apresentou JESUS como o homem perfeito. Tudo, desde o nascimento de JESUS e em toda sua vida, ministério, morte e ressurreição, indicava a sua humanidade. Logo , o tema de Lucas é que JESUS era DEUS, mas também era humano. Parece que seu Evangelho foi escrito para os gregos, e descrevia JESUS como o Filho do Homem. Seu aspecto é histórico.


João

João, cerca de 85 a 90 d.C. retratou  JESUS como o divino filho de DEUS e também como o próprio DEUS.  JESUS foi descrito como o Verbo de DEUS que pré-existiu à Criação. O Tema essencial de João é que a crença em JESUS é necessária à salvação. O Evangelho de João foi escrito para a Igreja.

Seu tom é espiritual. Embora ele faça menos citações diretas do Antigo Testamento que qualquer outro evangelho, ele faz mais alusões ao Antigo Testamento do que os demais.


Atos

O livro de Atos, cerca de 60 a 63 d.C. parece,ao meu ver, ser a continuação dos acontecimentos históricos que sucederam à ressurreição descrita por Lucas... por exemplo, os dois livros começam dirigindo sua narrativa a " Teófilo".

Ele fornece uma descrição histórica sobre o desenvolvimento inicial da Igreja.  O livro de Atos faz também uma importante conexão entre a vida e o ministério dos apóstolos, dedicando especial atenção aos primeiros líderes da igreja, Paulo e Pedro.  Isso tem uma importância considerável, pois a credibilidade de Paulo, em relação à sua conexão com JESUS , é essencial... lembrando que Paulo escreveu 14 livros do Novo Testamento,  sobre os quais a igreja cristã se baseia como sendo as Santas Escrituras.


Romanos

O livro de Romanos, cerca de 57 d.C. foi escrito para os cristãos de Roma a fim de apresentar Paulo e fazer um resumo dos seus ensinamentos antes dele chegar a  esta cidade.  O livro de Romanos é considerado como a primeira e grande obra da Teologia Cristã, e muitos acreditam ser o livro mais importante de Paulo, pois exerceu um impacto considerável sobre o desenvolvimento da Igreja.  Ele enfoca o pecado da humanidade e a justificação dos pecadores por meio do sacrifício de JESUS na cruz; ele discute a santificação do Cristão.

Esse livro vai mais além... faz uma revisão dos propósitos de DEUS para Israel, e oferece instruções práticas à Igreja a respeito dos cultos ao SENHOR.


I Coríntios

I Coríntios, cerca de 55 d.C. foi a segunda carta escrita à Igreja que Paulo havia estabelecido em Corinto, pois a primeira carta, e a carta que se segue  a I coríntios foram perdidas.  Ela foi escrita para identificar e oferecer  soluções aos problemas que esta igreja estava enfrentando, e realça a importância da unidade na Igreja contra a divisão , e a ordem e a moralidade contra desordem  e a imoralidade.

Além disso, o livro faz uma revisão dos dons e das doutrinas da igreja e condena os seus abusos.


II Coríntios

II Coríntios, cerca de 55 a 57 d.C.   Na verdade, esta foi a quarta carta escrita a essa Igreja e tinha a finalidade de afirmar o ministério e a autoridade de Paulo e refutar os falsos ensinamentos dentro da igreja de Corinto. Ela defendia a glória do ministério Cristão e insistia na glória do ministério de dar.


Gálatas

Gálatas, cerca de 49 d.C.  Essa carta foi escrita às Igrejas que Paulo havia fundado na sua primeira viagem missionária à região da Galácia.  Sua finalidade principal era refutar aqueles que ensinavam que os gentios deviam obedecer às leis judaicas a fim de serem salvos. Nesse sentido, a carta aos Gálatas ensinava a revelação pessoal, a justificação e a santificação.


Efésios

Efésios, cerca de 60 d.C. esta carta foi escrita à igreja que Paulo havia fundado em Éfeso para fortalecer a fé dos cristãos ao explicar a natureza e o propósito da igreja como corpo de CRISTO.


Filipenses

Filipenses, cerca de 61 d.C.  esta carta foi escrita por Paulo à igreja de de Filipos para agradecer pela oferta que esta havia lhe enviado, e afirmar que a verdadeira alegria vem somente por meio de JESUS CRISTO. Essa alegria em CRISTO se expressa através da nossa vida, do nosso exemplo, do nosso propósito, e da suficiência que recebemos do SENHOR.


Colossenses

Colossenses, cerca de 60 d.C. esta carta foi escrita à igreja em Colossos, que nunca foi visitada por Paulo.  A sua intenção era combater os erros que haviam sidos introduzidos na igreja por alguns crentes  que tentavam combinar elementos do paganismo com a filosofia secular da doutrina de CRISTO. Esse livro realça a glória de CRISTO, as suas respostas aos erros doutrinários e como a união com Ele forma a base para a vida Cristã.


I Tessalonicenses

I Tessalonicenses, cerca de 51 a 52 d.C.  esta carta foi escrita para fortalecer os tessalonicenses na sua fé e assegura-lhes a volta de CRISTO.


II Tessalonicenses

II Tessalonicenses, cerca de 51 a 52 d.C. esta carta foi escrita aos tessalonicenses para esclarecer a confusão relativa à segunda vinda de CRISTO.


I Timóteo

I Timóteo, cerca de 64 d.C. esta carta, dirigida a Timóteo, discípulo de Paulo, e aos jovens lideres das igrejas em toda a parte, tinha a finalidade de encoraja-los e instruí-los. Ela faz uma revisão das disciplinas da sã doutrina , da adoração, do governo da igreja e da liderança pastoral local.


II Timóteo

II Timóteo, cerca de 66 a 67 d.C.  escrita pouco antes da execução de Paulo por Nero, esta carta dava instruções finais e encorajava Tito e os demais líderes da igreja.


Tito

Tito, cerca de 64 d.C. esta carta foi escrita a um grego chamado Tito que, provavelmente, havia se tornado cristão por meio do ministério de Paulo. Esse livro tinha a finalidade de aconselhar Tito sobre suas responsabilidades na supervisão das igrejas na Ilha de Creta.

Filemom

Filemom, cerca de 60 d.C. escrita por Paulo a Filemom para convencê-lo a perdoar o escravo que havia fugido e aceitá-lo como irmão na fé.


Hebreus

Hebreus, antes de 70 d.C.  foi escrita para apresentar a suficiência e a superioridade de CRISTO. O autor desse livro, dizem ser  desconhecido, embora alguns versos  me mostram que o autor também tenha sido Paulo, como em Hebreus 13: 23, Timóteo  era conhecido como um querido amigo e irmão de Paulo.. e II Pedro 3:15 pode ter se referido ao livro de Hebreus. Enfim.

Esse é um livro básico para a definição do relacionamento do Cristianismo com o Judaísmo. Ele discute a superioridade de CRISTO em relação aos Profetas, anjos, Moisés, Josué e os Sacerdotes. Ela também faz uma revisão da superioridade da Nova Aliança em Relação à Antiga Aliança.


Tiago

Tiago, cerca de 49 d.C., é a primeira carta do Novo Testamento que, definitivamente , não foi escrita por Paulo. O autor, Tiago... irmão de JESUS por parte de Pai e líder da Igreja de Jerusalém... estava escrevendo para os cristãos do primeiro século no mundo inteiro. O propósito dessa carta é expor as práticas cristãs hipócritas, e estimular um comportamento adequado.


I Pedro

I Pedro, cerca de 62 a 64 d.C., esta carta foi escrita pelo Apóstolo Pedro provavelmente em Roma e sob a Perseguição de Nero. Foi dirigida aos cristãos expulsos de Jerusalém para encorajá-los a suportar o seu sofrimento.


II Pedro

II Pedro, cerca de 67 d.C., foi escrita por Pedro aos cristãos de toda parte a fim de preveni-los sobre os falsos ensinamentos  e exortá-los na fé. Os Cristãos eram encorajados a crescer no seu conhecimento de CRISTO.


I João

I João, cerca de 85 a 90 d.C., foi escrita pelo Apóstolo João como uma carta pastoral dirigida  a várias congregações  dos gentios com intenção de ensinar os cristãos de toda a parte. Sua finalidade era tranquilizar os cristãos na sua fé e ajudá-los a enfrentar os falsos ensinamentos.


II João

II João, cerca de 90 d.C., foi escrita para uma determinada " senhora eleita" que pode ser uma metáfora da igreja, mas a mensagem estava claramente aos cristãos de toda a parte.  Essa pequena carta pretendia realçar os ensinamentos básicos de quem deseja seguir a CRISTO  e se prevenir contra os falsos mestres.


III João

III João, cerca de 90 d.C., foi escrita por João  a Gaio, líder da Igreja, e a todos os cristãos. A finalidade dessa carta é agradecer  a Gaio pela sua hospitalidade e encorajá-lo na sua vida cristã.


Judas

Judas, cerca de 65 d.C., Foi escrita por Judas, irmão de JESUS por parte de Pai e de Tiago, aos judeus convertidos ao cristianismo, como também a todos os cristãos. Sua finalidade era lembrar a igreja da necessidade de permanecer em guarda... opondo-se às heresias , e sendo forte na fé.


Apocalipse

Apocalipse, escrito cerca de 95 d.C. pelo Apóstolo João enquanto estava exílio na Ilha de Patmos. Essa carta foi endereçada especificamente às sete igrejas da Ásia, mas o seu claro propósito era ensinar os cristãos do mundo inteiro.

Embora tenha sido escrito sob uma forma repleta de simbolismos, talvez para proteger o autor da ameaça da perseguição, o propósito desse livro é revelar a plena identidade de CRISTO, dar conselhos e transmitir esperança aos Cristãos.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

A BÍBLIA É CÓPIA DOS SUMÉRIOS?


Devido a muitas dúvidas,muitas pessoas me perguntando sobre o assunto,pessoalmente,no facebook e pelo watsapp,depois de algum tempo,resolvi criar mais um artigo para o blog,e abordando esse tema.

Será que a Bíblia é cópia dos Sumérios,como os Neo  Ateus (Ignorantes) afirmam?

 Bem, a verdade é que até o século XVII,mais ou menos,muitos daqueles que não acreditavam no relato da Bíblia diziam que as histórias que aparecem no Gênesis,Levítico,Números e mais precisamente nos Capítulos de 1 a 11 de Gênesis,eram invenção do autor Bíblico.  Quando a partir do século XVIII,vários tabletes com cuneiformes,especialmente na Mesopotâmia foram encontrados,entre eles..  o Épico de Gilgamesh,Enuma Elish,Atrahasis que contam a história do dilúvio muito parecido com a Bíblia. Gilgamesh também menciona,como a estória do herói lá que sobreviveu ao dilúvio,também o mito de eridu,muito semelhantes à Bíblia,ai os céticos disseram que realmente,a Bíblia não tinha inventando aqueles "mitos" porque eles existiam antes,mas mudaram o foco dizendo que a Bíblia tinha Plagiado esses mitos. rsr

Esses mitos são baseados no politeísmo,ou seja,vários deuses criaram o mundo e vários elementos e a Bíblia trata a criação como o fruto de um só DEUS. Se ela fosse  cópia desses mitos ela também deveria ser politeísta em sua base.

Todos os textos da antiguidade Sumeriana,quando derivam um dos outros por empréstimo,eles tendem a embelezar ou seja,a enfeitar mais e a tornar mais complexo o relato.  Funciona do tipo que se um Mito Sumeriano é descrito em 6 partes,aquele que deriva dele vai descrever em 10,o outro que deriva vai contar em 15 com muito mais detalhes e mais complexos e assim vai. E a Bíblia é estranhamente mais curta. Então,se ela foi produzida depois e é mais curta,mais compacta,ela não derivou desses mitos. Então isso demonstra,do ponto de vista literário,que,ainda que ela conte uma história semelhante,ela não se valeu daqueles mitos mas talvez de um mesmo fato.

O caráter desses mitos é,moralmente falando,diferente do que a Bíblia apresenta. Por exemplo... Num desses mitos,no Utnapishtim ,os deuses criaram a humanidade para servi-los...o Enuma Elish diz a mesma coisa.. os deuses trabalhavam,e um dia criaram a humanidade pra trabalharem pra eles,quando a humanidade começou a trabalhar,os deuses puderam descansar.  Mas a humanidade fez muito barulho e aí os deuses resolveram destruir a humanidade,mas alguém,por esperteza,sobreviveu ao dilúvio. Ou seja,nada a ver com a moral da Bíblia.

Aquela história que a Bíblia apresenta,não esta apenas aonde ela foi produzida,mas no mundo inteiro.

Claude Lévi-Strauss era ateu,e ele chegou a admitir,por  ter uma sinceridade acadêmica muito boa que,é causa de grande perplexidade e surpresa que os mesmos relatos encontrados na Bíblia,são encontrados não somente em mitos Sumerianos mas também em outras etnias do mundo inteiro.  O que supõe que a Bíblia não esta nem Plagiando e nem inventando a História,mas derivando essa história de realmente um fato que aconteceu e que deixou sua marca indelével na tradição de povos do Mundo Inteiro.

Então,o que os grupos agnósticos,ateus,neo ateus e céticos fazem,na verdade,é sempre querer desmerecer a Bíblia,de um jeito ou de outro.

Essas "raças inferiores" não querem,de maneira alguma,buscar o conhecimento e a verdade,só querem tumultuar. Não estudam teologia,mas só fazem questionamentos teológicos que implicam em respostas teológicas,mas eles não aceitam e nem acreditam na Bíblia. Então,ao invés de questionarem apenas a existência ou não de DEUS,eles passam vergonha debatendo teologia como se conhecessem alguma coisa de Bíblia.

Por isso que JESUS disse em Mateus 7:6 para não lançarmos pérolas aos porcos. Não devemos debater Teologia com esses Grupos. No máximo,ciência.

Um exemplo da desonestidade deles e da falta de caráter é que eles não têm Dúvidas sobre a Existência de Alexandre o Grande,mas sobre JESUS tem?

Pra você ter uma ideia,o relato dos evangelhos em relação a JESUS,mesmo aqueles que são extremamente céticos,colocam os evangelhos depois de 30 anos da vida de CRISTO. Sabemos que foi menos,mas mesmo que trabalhássemos que fossem 30 anos mesmo,ainda assim estariam próximos de JESUS. Agora,a Biografia mais antiga de Alexandre,o Grande,que são "vidas paralelas Plutarco",foram datadas 300 anos depois de Alexandre,e nós não temos o Original que data de 600 anos depois.  Não se tem nenhuma prova arqueológica da existência de Sócrates e nem de Platão ,nem das 6 das 7 Maravilhas do mundo antigo e as pessoas não duvidam. Então,é apenas pilantragem que as pessoas fazem.

Tudo que tem a ver com Bíblia,questiona,,negam e fazem o diabo a quatro... Mas Planeta que colidiu com a Terra formando a Lua,sem evidências algumas e sem provas alguma,acreditam como se fossem fatos e muito mais?! Ok!

quinta-feira, 25 de junho de 2015

DOCUMENTOS DA EXISTÊNCIA DE JESUS





Quando algum ignorante questiona a existência de JESUS,esta apenas assinando um atestado de besta. Nem o ateu sério duvida que JESUS existiu,porque JESUS é histórico,ELE sim se pode provar empiricamente que existiu.

Você tem o evangelho de Tomé que fala de JESUS. Uma fonte não-bíblica que corrobora com a existência de JESUS.

O "evangelho de Tomé" estava entre os documentos descobertos dentro de um vaso enterrado debaixo de uma pedra,na base dos rochedos da margem oriental do Rio Nilo,no Egito. Essa importante descoberta foi feita em 1945; Embora esse documento trouxesse o nome de " Evangelho",ele não é canônico,nem mesmo consistente com os ensinamentos bíblicos do novo testamento. A sua importância se deve exclusivamente ao fato de ser uma das fontes não-bíblicas que corroboraram com a existência e as palavras de JESUS.
Os estudiosos acreditam firmemente que o Evangelho de Tomé foi escrito no início da metade do segundo século. A data geralmente aceita é cerca de 140 d.C.  Basicamente ,supõe-se que seja uma antologia de 114 declarações desconhecidas de JESUS que,segundo afirma o prólogo,foram coletadas e transmitidas por Tomé. Elas foram escritas na língua Copta usando um alfabeto grego expandido.
Embora esse evangelho não tenha valor canônico ou teológico,e tenha se originado de uma seita considerada herética,ele não deixa de ter algum valor histórico por ser um documento comprobatório escrito por aqueles que eram familiares aos ensinamentos de JESUS. Ele também confirma muitos,se não uma grande parte,dos ensinamentos do Novo Testamento.

Referências a JESUS no Talmude Judaico.

O Talmude babilônico consiste de 63 livros contendo critérios  éticos,espirituais,teológicos,rituais e históricos. Escrito e editado no decorrer de muitos séculos,a parte que mais interessa em relação a JESUS é a que foi escrita durante o período compreendido entre 70 a 200 d.C. por um grupo de estudiosos judeus...também chamado Tanna. Um texto particularmente importante é o Sanhedrin,ou Sinédrio 43a que diz:

" Na véspera da Páscoa eles penduraram Yeshu ( JESUS). E um arauto ia à frente dele durante quarenta dias dizendo: " Ele vai ser apedrejado porque praticou a feitiçaria,seduziu e desviou Israel. Qualquer um que souber qualquer coisa a seu favor que venha e apele em seu nome." Mas,não tendo sido encontrado nada a seu favor,eles o penduraram na véspera da Páscoa".

Entenda meu leitor que essa passagem é importante pelo fato de ter sido escrita por judeus que não só negavam JESUS,como faziam ,também,um ativo proselitismo contra os cristãos. Há muito tempo os tribunais vêm afirmando que o testemunho mais poderosos é o testemunho corroborado pelas declarações das testemunhas Hostis ( Esse é o caso dos judeus que testificaram a respeito de JESUS).

O que pode ser deduzido das palavras do Talmude é o seguinte:

1.. Que JESUS existiu.

2.. Que JESUS foi crucificado,ou seja,"pendurado",na véspera da Páscoa.

3.. Que ele fazia milagres,que os judeus interpretavam como feitiçaria.

4.. Que ele havia desviado muitas pessoas do ensinamento legalista dos judeus,como esta mencionado no Novo Testamento em Mateus 15:3 ao 9.

5.. Que os líderes judeus estavam tramando para matar JESUS.

Em resumo,a evidência de JESUS escrita no Talmude pelos próprios judeus que o desprezavam,representa um sólido testemunho de sua existência e dos seus atos. É bastante significativo o fato de estar inteiramente de acordo com o relato de JESUS no Novo Testamento,inclusive com as referências feitas aos milagres,à crucificação e a outros detalhes.

Quero falar também das referências feitas a JESUS por Josefo,um historiador Judeu.

Flávio Josefo foi amplamente reconhecido como um dos maiores historiadores do primeiro século.
Ele nasceu em 37 d.C,pouquíssimos anos depois da morte de JESUS,e passou toda sua juventude em Israel. Ao completar 20 anos foi enviado a Roma para negociar a libertação de vários sacerdotes mantidos como reféns pelo Imperador Nero. Ao voltar pra casa,a revolução dos judeus já havia começado e ele foi convocado para comandar a força revolucionária na Galileia.  Quando o general romano Vespasiano capturou a cidade de Jotapata,o único que encontrou vivo foi Josefo,pois todo seu grupo de seguidores havia morrido.

Obedecendo a uma ordem de Josefo,eles haviam feito o pacto de suicidar e,por mais estranho que pareça,somente o seu chefe não havia tomado o veneno mortal. Ele se proclamava um profeta. Por ter sido capaz de bajular Vespasiano,levando-o a pensar que era o messias mencionado  pela escritura,Josefo foi poupado da morte. Mais tarde,quando Vespasiano se tornou imperador de Roma,Josefo passou a pertencer à família real dos Flávios. Durante o restante da guerra,ele ajudou o comandante romano Tito com seus conhecimentos da cultura judaica.

Entretanto,como Jerusalém o considerava um traidor,ele não teve sorte na sua negociação com os revolucionários tornando-se,antes,uma testemunha da destruição de Jerusalém e do templo.
Josefo começou a escrever a história da guerra entre romanos e judeus na década de 70 d.C. Aparentemente,seu livro era fiel aos fatos,entretanto,ele também foi escrito para agradar os romanos e advertir outras províncias sobre a loucura de se opor a Roma. Mais tarde,ele escreveu uma obra volumosa sobre a história do povo judeu,a famosa Jewish Antiquities,publicada em 93 ou 94 d.C.
Foi assim meu caro leitor,que Josefo escreveu a respeito de JESUS na sua obra Antiquities:

" Ora,havia nessa época JESUS,um homem sábio,se for lícito chamá-lo de homem,pois era alguém que fazia maravilhas,um mestre de homens que recebem a verdade com prazer. Ele trouxe muitos para junto de si,tanto judeus como gentios. Ele era o CRISTO. Quando Pilatos,obedecendo à sugestão dos homens mais importantes entre nós,condenou-o à cruz,aqueles que o amavam primeiramente não se esqueceram Dele,pois ele lhes apareceu  vivo novamente no terceiro dia,como os divinos profetas haviam previstos sobre essas e dez mil outras coisas maravilhosas a respeito Dele,e a tribo dos cristãos,assim chamada por causa Dele,até hoje não se extinguiu".  ( Antiquities 18.63,64.)

Também gostaria de falar das referências feitas a JESUS pelo historiador Tácito.

Nascido 22 anos depois da morte de JESUS,Cornélio Tácito foi um eficaz Cônsul substituto que,mais tarde,se tornou procônsul na Ásia Menor. Pouco se sabe sobre sua vida,a não ser que era amigo do cônsul romano,Plínio,o Moço. Tácito era conhecido por ser um orador eloquente e eficiente. Era inclinado a encorajar sua audiência para manter um elevado padrão moral. Nas suas diversas posições de governo,às vezes também era encarregado da política governamental e até do exército.

Ele se tornou famoso por causa das suas importantes obras históricas,escritas numa época da qual muito pouco de história sobreviveu. Ele escreveu cinco Histórias,das quais apenas quatro sobreviveram..e parte da quinta. Essa obra cobre apenas a história do imperador Galba...68 e 69 d.C. e o início do reinado de Vespasiano..70 d.C.

Ele também escreveu um conjunto de 12 volumes chamado "Anais",que vai do período histórico desde o reinado de Tibério,a partir de uma data anterior ao ministério de JESUS,até o reinado de Cláudio e o início de reinado de Nero,que equivale aos últimos anos do ministério de Paulo.
Escrevendo por volta do ano 115,Tácito afirma nos seus Anais 15.44 :

" Mas nem todo alívio que recebesse dos homens,nem todas as recompensas que um príncipe pudesse lhe conceder,nem toda a reparação que pudesse oferecer aos deus seriam suficientes pra libertar Nero da infâmia de ter sido considerado aquele que teria ordenado a conflagração do incêndio de Roma. Portanto,a fim de suprir o boato,ele falsamente acusou de culpados,e puniu,os cristãos que eram odiados por causa das suas "perversidades". CRISTO,o fundador desse nome,foi condenado à morte por Pôncio Pilatos,procurador da Judeia no reinado de Tibério; mas a perniciosa superstição,reprimida durante algum tempo,rompeu novamente  não só através da Judeia,aonde a desordem havia começado,mas também através da cidade de Roma,aonde todas as coisas vergonhosas e horrendas,de todas as partes do mundo,encontram o seu centro e se tornam populares. Assim sendo,primeiramente foram presas todas as pessoas que se declararam culpadas; depois,segundo a sua informação,uma imensa multidão foi condenada,não tanto pelo crime de incendiar a cidade,como pelo seu ( de Néro?) ódio contra a humanidade".

Então leitor,é muito significativo que Tácito,claramente um anticristão,considerasse a existência de JESUS e dos seus muitos seguidores como se fosse um assunto trivial. Além disso,ele menciona a crença dos cristãos primitivos na ressurreição.. ( a "nova superstição") e também fornece um suporte não-bíblico a muitos outros detalhes dos textos do Novo Testamento.

Também gostaria de mencionar  a referência feita a JESUS pelo historiador Plínio,o Moço.

Plínio,o Moço,começou a praticar a lei em 79 d.C., com a idade de 18 anos. Ele rapidamente,adquiriu uma eminente reputação em advocacia civil o que levou à demanda dos seus serviços nos tribunais políticos que julgavam funcionários acusados de fazer extorsão.

As vitórias mais importantes que se destacam como indicação das suas habilidades incluem a condenação  de um governador na África e também de um grupo de oficiais na Espanha.
Plínio,o Moço,era também um ávido escritor. Ele publicou 10 livros importantes que continham uma série de cartas com um conteúdo variado. Muitas continham informações históricas sobre seu relacionamento com as pessoas,como o imperador Trajano. Outras ainda continham conselhos aos jovens,faziam inquéritos e descreviam os diferentes cenários naturais.

Suas cartas registraram a primeira vez em que o governo romano  reconheceu o cristianismo como religião separada do judaísmo. Como governador da Bitínia,na Ásia Menor,ele se encontrou preso a um dilema. Os cristãos levados perante ele pareciam inofensivos,no entanto se recusavam a adorar o imperador romano (lembrando que a população de roma considerava os imperadores como deuses) e estavam prejudicando o comércio local de ídolos por causa da denúncia que faziam contra eles. Plínio,o Moço,decidiu mandar executar vários cristãos que foram levados até ele se não renunciassem sua fé. Sentindo-se inseguro dos seus atos,ele escreveu ao amigo,o imperador Trajano,pedindo conselhos:

"Senhor, tenho o hábito frequente de entrar em contato consigo para a solução de todas as minhas dúvidas: pois quem poderia melhor orientar a minha demorada forma de proceder ou instruir a minha ignorância? Nunca estive presente ao interrogatório dos cristãos [ pelos outros],portanto,não estou familiarizado com o que habitualmente é inquirido e o que,e até onde eles costumam ser punidos; nem são pequenas as minhas dúvidas quanto haver uma distinção entre as idades [dos acusados?] e se os muito jovens deveriam receber o mesmo castigo que os homens fortes? Se não haveria perdão para o arrependimento? Ou se não seria vantajoso para aquele que havia sido cristão se ele tivesse renunciado ao cristianismo? Se o simples nome,sem quaisquer outros crimes,ou crimes que estivessem ligados àquele nome,deveria ser punido?

Nesse ínterim,segui esse curso sobre aqueles que eram trazidos perante mim como cristãos. Perguntei se eram cristãos ou não. Se confessassem que eram cristãos,eu perguntava novamente, e mais uma terceira vez,intercalando ameaças com as perguntas. Se perseverassem na sua confissão,ordenava que fossem executados; eu não tinha dúvidas,e, como a sua confissão era de alguma forma enfática,a sua positividade e inflexível obstinação mereciam ser punidas.

Houve alguns dessa seita louca,que,por serem cidadãos romanos,tratei particularmente,e creio que poderiam ser enviados a essa cidade.  Depois de algum tempo,como é habitual nesses tipos de exames,o crime se espalhou e mais casos foram trazidos perante mim. Um libelo foi me enviado,embora sem nenhum autor,contendo muitos nomes [ de pessoas acusadas]. No entanto ,elas negaram que fossem,ou tivessem sido cristãs. Elas invocaram os deuses e suplicaram perante sua imagem ( que eu havia mandado trazer para esse propósito),com incenso e vinho;também amaldiçoaram a CRISTO e nenhuma dessas coisas,segundo dizem,um cristão pode ser obrigado a fazer. Portanto julguei mais adequado deixar que fossem embora. Outras pessoas,que haviam sido mencionadas nesse libelo,disseram que eram cristãs,mas que negavam naquele momento,dizendo que haviam sido cristãs,mas tinham deixado de ser há cerca de uns três anos,talvez mais,e uma delas disse que havia sido um cristão há mais de 20 anos.

Todos adoraram a tua imagem e as imagens dos nossos deuses; e também amaldiçoaram a CRISTO. Entretanto,me garantiram que sua maior culpa,ou o seu erro havia sido esse: de que haviam sido acostumados a,num determinado dia,se encontrar antes do amanhecer e a cantar um hino para CRISTO,como para um deus,alternadamente,e a se obrigarem a um sacramento [ ou promessa] de não fazer nada que fosse errado,de não cometer nenhum roubo,ou furto,ou adultério,de que não iriam quebrar suas promessas,ou negar o que havia sido depositado consigo quando fosse reclamado de volta novamente; depois disso,era costume partir e se encontrar para uma refeição inocente e em comum,que a tudo haviam abandonado obedecendo ao édito que eu mandara publicar obedecendo a tua ordem e,a partir do qual,passei a proibir tais reuniões religiosas secretas. Esses exames me fizeram acreditar que seria necessário inquirir,através de tormentos,qual era a verdade; e foi o que eu fiz com suas servas chamadas diaconisas,mas nada mais descobri além de que eram adeptas de uma superstição má e extravagante.

Depois disso,adiei quaisquer outros exames e recorri a ti,pois esse assunto bem merece uma consulta,especialmente por causa do número daqueles que correm perigo,pois existem muitos de idades variadas e,portanto,com a possibilidade de serem chamados para prestar contas e ficar em perigo; pois esta superstição se espalhou como se fosse por contágio,não só nas vilas e cidades,mas também no campo,mas ainda há razões para esperar que seja interrompida ou corrigida. Para estarmos seguros,os templos que haviam sido quase esquecidos,já passaram a ser frequentados e as solenidades sagradas,que há muito tempo haviam se tornado intermitentes,começaram a reviver. Em toda parte os sacrifícios....para os quais ultimamente apareciam poucos compradores..... começaram a ser vendidos. Portanto será fácil supor que uma grande multidão de homens poderá ser corrigida se for admitida uma ocasião de arrependimento."

Será muito interessante voltar no tempo e sentir,de fato,os acontecimentos que tiveram lugar na época da perseguição aos cristãos.

Vemos aqui o conteúdo de uma carta ao imperador que estava em Roma,descrevendo o processo do julgamento e a pena capital àqueles que proclamavam o cristianismo. Embora ciente de que havia muitos cristãos que preferiam morrer a amaldiçoar JESUS,esta carta também descreve, em detalhes muitos vivos,aqueles que realmente renegavam sua fé para salvar a vida.... em outras palavras,aqueles que "traíam" a CRISTO para adorar o imperador Trajano. Podemos,em primeiro lugar,imaginar o quanto deviam estar comprometidos com CRISTO.

Essa carta também descreve a força da crença na ressurreição (a "má" superstição era,provavelmente,uma referência à ressurreição). De acordo com essa carta,os cristãos formavam um grande grupo de pessoas.... Jovens,velhos,homens,mulheres,e de todas as classes sociais. E faz referências sobre como eles estavam se espalhando através daquela região.

Quero falar também das referências a JESUS feitas pelo Historiador Suetônio.

Caio Suetônio Tranquilo era secretário particular do imperador Adriano. Sabemos que Adriano estava muito preocupado com a propagação do cristianismo. Estava tão preocupado que mandou cobrir os lugares sagrados da crucificação e da ressurreição com estátuas pagãs numa tentativa de "ajudar" os cristãos a se esquecer delas. Obviamente,Adriano e Suetônio tiveram uma discussão sobre JESUS e os Cristãos.
Suetônio foi um historiador que viveu no período de 69 a 140 d.C. Além do seu relacionamento com Adriano,pouco se sabe sobre sua vida. Ele realmente escreveu muitos livros históricos da antiguidade que ainda temos atualmente,inclusive  a obra  "De vita Caesarum" ( "Acerca da vida dos Césares",traduzida para o Inglês em 1957 por Robert Graves com o nome de The Twelve Caesars) e a grande coleção de biografias De viris illustribus (" A respeito dos homens ilustres").

As palavras que Suetônio escreveu sobre JESUS e os cristãos foram as seguintes:

" Como os judeus de Roma provocavam constantes distúrbios,sob a instigação de Chrestus                  ( CRISTO),ele ( Cláudio) os expulsou da cidade ( de Roma) (Life of the Emperor Claudius,capítulo 25....excerto.)

Durante o seu reinado,muitos abusos foram severamente castigados e suprimidos,e muitas leis novas foram feitas; foi estabelecido um limite para os gastos públicos,os banquetes foram limitados a uma distribuição de alimento,foi proibida a venda de quaisquer carnes cozidas nas tavernas,com exceção dos grãos e dos vegetais,enquanto toda sorte de iguarias era exposta à venda. Castigos eram impostos aos cristãos,uma classe de homens dedicada a novas e perniciosas superstições. Ele terminou com as diversões dos condutores das bigas que,por causa da sua antiga posição,reclamavam o direito de vaguear livremente e de se divertir tapeando e roubando o povo. Os atores de pantomima e seus partidários também foram banidos da cidade". ( Life of the Emperor Nero,Capítulo 16....excerto).

Suetônio reafirma a autenticidade da crença na ressurreição chamando-a,assim com outros historiadores da antiguidade que não eram crentes,de "superstição".

Também quero falar das referências a JESUS feitas pelo historiador Phlegon

Orígenes,um dos primeiros patriarcas da igreja,estava procurando antigos escritos feitos por historiadores não-cristãos a respeito dos acontecimentos da crucificação e da ressurreição. Ele ficou sabendo da obra de Phlegon,que escreveu sobre os eventos do terremoto e do escurecimento do CÉU no momento da crucificação.

Phlegon justificava que o CÉU havia escurecido no momento da crucificação por causa de um eclipse,o que foi refutado por Orígenes.

Sabemos,ironicamente,que um eclipse solar teria sido impossível de ocorrer na Páscoa ( a data da crucificação de JESUS) porque isso só acontece no período da lua cheia. Seria cientificamente impossível a ocorrência de um eclipse solar porque ,nesse caso,a lua estaria no lado errado da terra.
Orígenes,que viveu de 184 a 254 d.C. faz referência a suas obras de Phlegon:

1) Crônicas e 2) Olimpíadas. Infelizmente,os dois originais foram perdidos e somente restam referências feitas a elas por Orígenes. As citações nas quais ele trata do errôneo eclipse solar no momento da crucificação,são as seguintes:

" E ,em relação ao eclipse na época de Tibério César,em cujo reinado parece que JESUS foi crucificado,e o grande terremoto que então teve lugar"... ( Orígenes contra Celsus).

Phlegon mencionou o eclipse que teve lugar durante a crucificação do SENHOR JESUS e nenhum outro; é claro que não sabia,a partir de suas fontes,a respeito de nenhum outro eclipse,semelhante,nos anos anteriores e isso pode ser visto através do relato histórico de Tibério César ( Origen and Philopon,De. Opif. Mund., II21).

Phlegon também se referiu à profecia de JESUS e indicou que as profecias se realizaram:

" Agora sobre Phlegon,no décimo terceiro ou quarto livro,acho que suas Crônicas são só atribuem a JESUS o conhecimento de eventos futuros,como também testemunharam o resultado correspondente às suas previsões" ( Orígenes contra Celsus).

Os escritos extra-bíblicos de Phlegon contribuem em favor de eventos como foram descritos na Bíblia. Embora não fosse cristão,ele não negou esses eventos e até apoiou a precisão da profecia de JESUS.

Também quero falar das referências a JESUS feitas por Luciano de Samósata...

O escritor satírico tinha paixão pela verdade histórica. Essa paixão foi registrada em alguns dos seus escritos:

" A História renega a intrusão do menor escrúpulo de falsidade,ela se assemelha à traqueia que,segundo os médicos nos dizem,não tolera um fragmento de comida desviada. A única obrigação do historiador é contar as coisas como elas aconteceram.

[ O historiador] não deve oferecer sacrifícios a nenhum DEUS,mas à verdade; ele deve negligenciar todo o resto,sua única lei e seu infalível guia é esse... não pensar naqueles que o estão ouvindo agora,mas naqueles que ainda não nasceram e que irão consultar palavras. "

Essa convicção sobre a história e a verdade é bastante importante quando consideramos seus escritos a respeito de JESUS ( Sabendo especialmente que ele é um escritor satírico que estaria inclinado a realçar o lado engraçado das coisas.)

Luciano nasceu em Samósata e viveu de 125 a 180 d.C. Era filho de um escultor,mas rapidamente decidiu que não seguiria a mesma carreira do pai e preferiu,ao contrário,a carreira da retórica e da oratória pública em lugares como a Jônia,Grécia,Itália e até Gália. Seus discursos eram simplesmente destinados a divertir e não pretendiam estabelecer nenhuma verdade moral ou filosofar.

Entretanto,ele amava a precisão histórica e a verdade,como podemos ver nas citações anteriores. Ele escreveu:

"Os cristãos...até hoje adoram um homem,um distinto personagem que lhes deu novos ritos e por isso foi crucificado... Foi gravado neles,pelo seu legislador original,que eram todos irmãos,a partir do momento em que se convertiam,e que deviam negar os deuses da Grécia e adorar a sabedoria do crucificado e viver de acordo com as suas leis."

Embora Luciano tenha zombado dos cristãos ao fazer essa declaração,vários pontos são dignos de nota meu caro leitor:

1) que JESUS é mencionado como homem,

2) que os "novos ritos" foram anotados,

3) que ele foi crucificado,

4) que ele era muito conceituado pelos seus seguidores,

5) que os seguidores se converteram dos deuses da Grécia para adorar a "Sabedoria".

Também,gostaria de falar das referências a JESUS feitas pelo Imperador Adriano...

Adriano,imperador de Roma de 117 a 138,sofreu um forte impacto do mundo judeu e cristão. Numa tentativa de apagar dos cristãos quaisquer lembranças dos locais sagrados de JESUS,ele construiu um templo pagão sobre o lugar da Crucificação,colocou estátuas de Vênus no lugar da Cruz e de Júpiter no local da ressurreição. Longe de fazer os cristãos se esquecerem desses lugares,eles serviram apenas como referências permitindo que,mais tarde,fossem reverenciados como lugares sagrados.

Esse atos abomináveis de Adriano de proibir vários  costumes judeus,construir monumentos pagãos,e cobrar impostos dos judeus e dos cristãos em nome dos deuses pagãos,levaram a uma revolta dos judeus que foi suprimida em 132. Terminada a revolta,os judeus foram proibidos de voltar à cidade de Jerusalém...e a maioria dos cristãos dessa região era formada por ex-judeus.

Parece que ,durante a perseguição,Adriano foi mais tolerante com os cristãos que os outros líderes romanos e,numa carta escrita ao Procônsul da Ásia em 124,ele adverte contra as falsas acusações:

"Portanto,não desejo que esse assunto seja ignorado sem antes ser examinado para que esses homens são sejam molestados,nem desejo que seja oferecida aos informantes a oportunidade de procedimentos mal intencionados. Portanto,se os encarregados regionais puderem claramente provar suas acusações contra os cristãos,de forma a levá-los a responder perante os tribunais,que eles continuem apenas com esse curso de ação,não por simples petições ou meras acusações contra os cristãos. Portanto será mais conveniente,se alguém apresentar uma acusação,que ela seja examinada por você."

Além disso,Adriano explicou que se os cristãos fossem considerados culpados eles deveriam ser julgados "de acordo com o horror do seu crime". "Se os acusadores estiverem apenas caluniando os crentes,então aqueles que erradamente fizeram as acusações deverão ser punidos.

Entretanto,para não sermos enganados,estas delicadezas não se aplicam durante os massacres organizados. Também,como nas outras ocasiões,os cristãos serão convocados a adorar os deuses romanos ( Especialmente Júpiter) e se recusarem a renunciar sua fé e curvar-se perante os deuses romanos isso resultará na sua execução".

As políticas de Adriano ( mesmo na tentativa de obliterar os lugares sagrados) e os seus escritos oferecem uma prova contemporânea,com algumas testemunhas oculares de JESUS,da rápida propagação do cristianismo e da sólida crença na ressurreição.

Meu amigo e minha amiga,estes são documentos não-cristãos,históricos que comprovam a existência de JESUS.

Arquivo do blog

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...